A pandemia e o elo mais fraco

 

Com o advento da pandemia, as empresas foram obrigadas a investir em segurança para manter os colaboradores trabalhando de casa. Isso tem um ponto muito positivo, pois trouxe um amadurecimento para as empresas com relação a segurança no Brasil e no mundo.

 

Os dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT), agência ligada às Nações Unidas, mostram que o Brasil evoluiu no ranking mundial de cibersegurança, saltando da 71ª posição para a 18ª colocação na avaliação da organização, que analisa 194 países em governança de segurança cibernética, entre os países das Américas, estamos em 3º lugar.

 

Isso é fantástico! Mas e porque as empresas ainda sofrem ataques aos montes no Brasil?

 

A resposta para a maioria desses ataques está relacionada aos usuários que utilizam os recursos computacionais, as empresas esqueceram do ponto mais fraco, nós somos suscetíveis ao erro. 

 

Apesar disso, não precisamos ter o conhecimento que um analista de segurança tem ao utilizar um computador, mas, o básico para não nos tornarmos vítimas.

 

Os crimes cibernéticos que aumentaram mais de 300% no Brasil na pandemia! Mas isso se deve ao fato da adoção generalizada do Home office, ao grande aumento de compras pela internet, a pandemia levou todos para o digital. 

 

Hoje praticamente tudo é resolvido online. Isso fez com que a demanda de crimes aumentasse.

 

E como prevenir dentro da sua empresa?

 

Ter uma Política de Segurança da Informação (PSI) bem escrita deixando claro para todos como utilizar os recursos da empresa. Além disso é muito importante treinar constantes para os colaboradores.

 

Quando falamos em constantes é porque não adianta fazer um treinamento por ano, a tecnologia evolui todos os dias por isso essa reciclagem deve ser constante.  Existem ferramentas que ajudam a TI nesses pontos para evitar que a TI vire uma sala de aula para os colaboradores. Nesse link mostramos um pouco mais sobre como evitar que suas informações vazem, isso já pode virar um treinamento.

 

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.